Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
Movimentos de rebeldia: um estudo desconstrutivo-discursivo da mulher Chicana/indígena
João Paulo F Tinoco

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


É rebeldia todo aquele que desconfia de um poder estabelecido.  E quando essa rebeldia se trata da mulher Chicana/indígena é um ato revolucionário. Em tempos nos quais temos a sensação de um movimento de rebeldia ainda não parido, o intelectual é afetado pela sensibilidade de um grito sufocado, estimulando-o a escrever, falar a partir de relatos vivenciados pela mulher Chicana/indígena. As discussões que aqui emergem fazem parte dos estudos de doutoramento que estão sendo desenvolvidos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Três Lagoas, orientado pela professora Dra. Vânia Lescano Guerra. Nosso objetivo geral é estudar o processo de constituição identitária da mulher Chicana, a partir da obra Borderlands/La frontera: the new mestiza (2012) escrita por Gloria Anzaldúa. Para esta apresentação, propomo-nos estudar as possíveis representações de identidade, com o intuito de rastrear os efeitos de sentido de movimentos de rebeldia que a mulher Chicana/indígena apreende que, em seguida, anseia deslocar discursos e poderes prevalecentes. Para isso, é necessário a crítica do estudo das relações de saber/poder (FOUCAULT, 2014), via Análise do Discurso. Buscamos também noções sobre o Lugar Geoistórico (NOLASCO, 2013), sob a visão discursivo-desconstrutiva (GUERRA, 2015, 2017), para rastrear como a prática de rebeldia é engendrada por um movimento insurgente e engajado. Nossa hipótese é a de que a escrita pode ser examinada como um palimpsesto em que marcas se sobrepõem a outras e que não conseguem ser exauridas. Nas análises pudemos observar que a escrit(ur)a está permeada de práticas de rebeldia caracterizadas por uma violência simbólica e letal advinda do “homem branco”. O que pudemos examinar na escrit(ur)a analisada é que há marcas “visíveis” de controle e silenciamentos, que fomentam um movimento de rebeldia, na busca de uma sociedade mais justa em que a mulher Chicana/indígena escolhe experienciar perspectivas não moldadas pela dominação.


Palavras-chave


Análise do Discurso; Borderlands/La frontera; Rebeldia

Referências


ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/la frontera: the new mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 2012.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Trad. Luiz Felipe B. Neves Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: wmfmartinsfontes, 2014.

GUERRA, Vânia M. L.; ALMEIDA, Diego de. Um olhar foucaultiano sobre a lei Maria da Penha: discurso e desconstrução. In: GUERRA, Vânia M. L.; NOLASCO, Edgar C. (Orgs.). Michel Foucault: entre o passado e o presente, 30 anos de (des)locamentos. Campinas: Pontes, 2015. p. 185-206.

GUERRA, Vânia M. L. As fronteiras da exclusão: o discurso do outro e o processo identitário do indígena. In: BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio; NOLASCO, Edgar Cézar; GUERRA, Vânia M. L.; S. Freire, Zélia R. Nolasco dos. (Orgs.). Fronteiras platinas em Mato Grosso do Sul – (Brasil/Paraguai/Bolívia) – biogeografias na arte, crítica biográfica fronteiriça, discurso indígena e literaturas de fronteira. Campinas: Pontes, 2017. p. 95-122.


Texto completo: PDF