Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
AS CONTRIBUIÇÕES DO MOVIMENTO CULTURA VIVA COMUNITÁRIA À COOPERAÇÃO CULTURAL NA AMÉRICA LATINA
Giulia Ribeiro Barão

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


Este trabalho investiga a expansão dos direitos culturais - entendidos como Direitos Humanos de segunda e terceira geração (Donders, 2007) - a partir dos esforços de cooperação cultural na América Latina. Essa análise poderia ser feita exclusivamente desde a perspectiva mais tradicional das Relações Internacionais, centrada na ação intergovernamental. No entanto, a fim de contribuir para a renovação da disciplina, propõe-se aqui uma verticalização do olhar para os territórios e dimensões onde se situam outros atores das Relações Internacionais, a fim de identificar o seu papel na conquista dos direitos culturais a partir de uma ação que é, ao mesmo tempo, localizada e transnacionalizada. Trata-se de uma visão renovada do campo, denominada internacionalismo desde abajo (Featherstone, 2012), ou, ainda, Relações Internacionais dos povos, à qual se busca contribuir por meio do estudo de um caso de referência, especificamente o movimento Cultura Viva Comunitária (CVC)[1], relevante ator político das novas dinâmicas no campo da cooperação e das políticas culturais na América Latina. O estudo se baseou na revisão documental, com a pesquisa em referências bibliográficas, assim como na observação participante, por ocasião do IV Encontro Latino-Americano de Cultura Viva Comunitária, realizado na Argentina em maio de 2018. O principal objetivo da investigação foi identificar quais são as ferramentas de ação e cooperação internacional utilizadas pelo movimento social transnacional Cultura Viva Comunitária e como contribuem para a consecução de direitos culturais no cenário Latino-Americano. Será apresentada uma breve reflexão sobre os resultados encontrados, buscando contribuir tanto à expansão teórica e prática do campo das Relações Internacionais quanto à visibilidade de iniciativas renovadoras no cenário da cooperação cultural latino-americana.

[1] A partir daqui o Movimento Cultura Viva Comunitária é também referido pela sigla “CVC’.


Palavras-chave


Cooperação Cultural; Direitos Culturais; Movimentos sociais transnacionais; Relações Internacionais dos povos; Cultura Viva Comunitária.

Referências


Donders, Yvonne. (2007). El marco legal del derecho a participar en la vida cultural. Derechos Culturales y Desarrollo Humano. Disponível em: http://www.culturalrights.net/descargas/drets_culturals82.pdf

Featherstone, David (2012). Solidarity: Hidden Histories and Geographies of Internationalism,. London: Zed Books.

IberCultura Viva (2016). Reglamento de Funcionamiento del Programa Ibercultura Viva. Programa IberCultura Viva. Secretaría General Iberoamericana. Disponível em: http://iberculturaviva.org/wp-content/uploads/2016/01/Reglamento-Programa-IberCultura-Viva.pdf

IberCultura Viva (2019). El Grupo de Trabajo de Gobiernos Locales. Programa IberCultura Viva. Secretaría General Iberoamericana. Disponível em: http://iberculturaviva.org/rede-ibercultura-viva-de-cidades-e-governos-locais/?lang=es

Pabón, Daniela Marreiro. (2019). Tejiendo la Red Ecuatoriana de Cultura Viva Comunitaria – Vivencias y Aprendizaje Personal hacia la Construcción Colectiva. In Rocha, Marcos Antonio M. (2019) (org.) Visões e vivencias latino-americanas do Cultura Viva. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Pecequilo, Cristina. S. (2017). Introdução às relações internacionais: temas, atores e visões. Petrópolis: Editora Vozes Limitada.

Perú. Presidencia de la República. (2016). Ley Nº 30487 de Promoción de los Puntos De Cultura. 15 de Julio de 2016. Disponível em: http://iberculturaviva.org/wp-content/uploads/2016/07/ley-de-promocion-de-los-puntos-de-cultura-ley-n-30487-1404903-1.pdf

UNESCO (1969). Cultural Policy: a preliminary study. Series: Studies and documents on cultural policies. Paris: UNESCO.

Lechner, Norbert. (1997). Cultura política y gobernabilidad democrática. Revista Foro, n. 33,
pp. 5-12

Robertson, Roland. (2003). Glocalización: tiempo-espacio y homogeneidad-heterogeneidad. In Cansancio del Leviatán: problemas políticos de la mundialización (pp. 261-284). Trotta.

UNESCO. (1966). Declaración de los Principios de la Cooperación Cultural Internacional. FS.67/VI.14/S, de noviembre de 1966. Disponível em: http://portal.unesco.org/es/ev.php-URL_ID=13147&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html


Texto completo: PDF