Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
FORMAÇÃO DE PROFESSORES E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: Uma análise dos currículos de Pedagogia nas Universidades Federais da Região Sul
Lucas da Costa Lage, Simone Silva Alves

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


Este trabalho visa apresentar a partir da Lei 10.639/2003 como estão sendo implementados os temas da História da África e da Cultura Afro-Brasileira nos currículos das Instituições de Ensino Superior da Região Sul do Brasil. O Objetivo é problematizar a importância da discussão étnico-racial na formação inicial docente. Nesse sentido, pensar a educação na perspectiva de equidade e igualdade reflete em construir uma sociedade mais justa e possibilitadora de novos futuros. As relações étnico-raciais permite compreender as lutas antirracistas na sociedade global, de modo que o sujeito reflita seu lugar no mundo e a consciência que deve obter através das conquistas dos diversos povos, dentre eles pretos e pardos, os marginalizados. Por fim, seguiremos problematizando e analisando as formações de pedagogos e pedagogas nas Universidade Federais do Brasil, evidenciando a necessidade do debate étnico-racial na luta contra o racismo e o fim da desigualdade social e racial no território brasileiro.



Palavras-chave


Relações Étnico-Raciais; Ensino Superior; Formação de Professores

Referências


APPLE, M. W. Educação e Poder. Porto Alegre, RG: Artes Médicas, 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.


BRASIL. Lei 10.639/2003. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

BRASIL. Resolução do CNE/CP n.° 02, de 1° de julho de 2015, que instituí as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada em Nível Superior de Profissionais do Magistério para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2015.


CAVALLEIRO, Eliane. Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. – São Paulo: Selo Negro, 2001.


GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 2005


GOMES, Nilma Lino. SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 3. Ed – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. – (Coleção Cultura Negra e Identidades).


GOMES, Nilma Lino. Por que ensinar relações étnico-raciais e história da África nas salas de aula? 2014. Disponível em: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/2014/03/19/por-que-ensinar-relacoes-etnico-raciais-e-historia-da-africa-nas-salas-de-aula/.


IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza; [tradução Silvana Cobucci Leite]. – 9. Ed. – São Paulo: Cortez, 2011. – (Coleção questões da nossa época; v. 14)


SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova [online]. 1997, n.39, pp.105-124.


TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo. Bases Teóricas-Metodológicas da Pesquisa Qualitativa em Ciências Sociais. Idéias Gerais Para a Elaboração de um Projeto de Pesquisa. Caderno de Pesquisa Ritter dos Reis. Vol IV. Nov. 2001. 2ª Ed. Porto Alegre. Faculdades Integradas Ritter dos Reis. 2001.



Texto completo: PDF