Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
Curadoria virtual do Festival CultivAR-TE: Permanências e Transformações na Cultura
Helena Zoneti Zoneti Rodrigues, Alice Fernandes Fernandes de Andrade, Larissa Campagna Campagna Martini, Carla Regina Regina Silva

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


A arte e a cultura têm sido integradas ao campo da saúde há muitos anos, suas conexões se estabeleceram de forma mais complexa na medida em que conceitos, perspectivas e práticas em saúde ampliaram a percepção do bem-estar e dos processos de cuidado de sujeitos e comunidades. Neste contexto, apresentamos o Festival CultivAR-TE, criado com o intuito de acolher e apresentar expressões artístico-culturais, elaboradas por artistas e público, sobre e durante a pandemia. O projeto conta com uma equipe de organização e curadores para o processo de apreciação, seleção e divulgação das obras, realizada por meio de uma galeria virtual e redes sociais para divulgação. As obras estão distribuídas em quatro eixos temáticos, exibidas em oito diferentes expressões artísticas e em quatro formatos de divulgação. Este trabalho apresenta as reflexões sobre as 34 obras pertencentes ao eixo temático: “Permanências e Transformações na Cultura”, das quais compreendem como a vivência do cotidiano pandêmico, somada às questões sociais, políticas e culturais reforçam ou transformam a cultura - como costumes, formas de estar, fazer e ser puderam ser mantidos, ressignificados ou modificados. Essas obras foram agrupadas nas categorias: Resgate do cotidiano e cultura; Transformação da cultura sob novas práticas e saberes do cotidiano; Transformação da cultura sob uma ótica artístico futurístico, fantasiosa; Cultura sob o ponto de vista emancipador; questionamento dos hábitos e costumes de agora, “luto” dos antigos costumes. Compreendeu-se através desta experiência como as expressões artísticas foram capazes de potencializar e elaborar a vivência do cotidiano pandêmico, a partir de vozes múltiplas, visibilidade de grupos historicamente silenciados, valorizando a memória, os significados construídos ao longo das gerações e ancestralidade, respeitando a diversidade, existências e expressões plurais, ao considerar a arte e a cultura nos processos de cuidados, inclusive na saúde mental.


Palavras-chave


arte; cotidiano; cultura; pandemia; saúde mental

Referências


ANASTÁCIO, C. C., FURTADO, J. P. Reabilitação psicossocial e Recovery: conceitos e influências nos serviços oferecidos pelo sistema de saúde mental. Cad. Bras. Saúde Mental.; v.4, n.9, pp. 72-83, 2012.

CASTRO, E. D.; LIMA, E. M. F. A. Resistência, inovação e clínica no pensar e no agir de Nise da Silveira. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 11, n. 22, pp. 365-376, 2007.

SILVESTRINI, M. S.; SILVA, C. R.; ALMEIDA PRADO, A. C. S. Terapia ocupacional e cultura: dimensões ético políticas e resistências. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 27, p. 929-940, 2019.

OMS. Organización Mundial de la Salud. What is the evidence on the role of the arts in improving health and well-being? A scoping review (2019). Health Evidence Network synthesis report 67 [Internet]. Ginebra: WHO; 2019. Disponible en:  https://www.euro.who.int/en/publications/abstracts/what-is-the-evidence-on-the-role-of-the-arts-in-improving-health-and-well-being-a-scoping-review-2019.


Texto completo: PDF