Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
HELOISA BUARQUE DE HOLLANDA E AS ESCOLHAS DESOBEDIENTES: por uma sociologia do desprendimento
Nathalia Flores Soares, Edgar Cézar Nolasco

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


Este trabalho propõe uma leitura crítico-biográfica fronteiriça  de cunho descolonial acerca do trabalho da intelectual Heloisa Buarque de Hollanda visando abordar questões pertinentes ao seu projeto intelectual que se dedica a refletir e articular ideias a partir de/sobre marginalidades e periferias. Buscando articular as reflexões engendradas pela opção descolonial em diálogo com a resistência presente nas periferias do Brasil. Pensado isso, pretendemos ressaltar uma sociologia das emergências (SANTOS , 2019) para que possamos aproximar o projeto de Heloisa Buarque de Hollanda com a opção descolonial e com o pensamento de fronteira engendrada, dentre outros, por críticos como Walter Mignolo e Boaventura de Souza Santos

Palavras-chave


: Fronteira, Descolonialidade, Cultura.

Referências


BOTELHO, André; COSTA, Cristiane; COELHO, Eduardo; STROZENBERG, Llana. Onde é que eu estou? . Rio de Janeiro, 2019. Editora: bazar e tempo.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica (ll), pensamiento independiente y libertad de-colonial. Disponível em: <http://www.ceapedi.com.ar/otroslogos/Revistas/0001/Mignolo.pdf>. Acesso: 28 Set. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Descolonizar el saber, reinventar el poder. Montivideo: Ediciones Trilce, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SAID, Edward. W. Representações do intelectual: as conferências Reith de 1993. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.


Texto completo: PDF