Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
O CINEMA DISTÓPICO NO BRASIL DA ASCENSÃO EVANGÉLICA
Aline Vaz, Marcela Barba Santos

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


Partindo da premissa que o cinema é campo do sintoma, constituindo-se como sistema comunicacional que dialoga (explicita e implicitamente – pelo dito e entre-dito) com a sociedade, o presente estudo se dedica a investigar e analisar como a intersecção entre as instituições ‘política e religião’ se dão a ver numa estética distópica no cinema nacional dos últimos anos no Brasil. Branco Sai, Preto Fica é um filme de Adirley Queiroz, lançado em 2015, após a conturbada reeleição presidencial de Dilma Rousseff em 2014, que tem o processo de impedimento iniciado no ano de estreia do filme e concluído em 2016. Divino Amor, por sua vez, é lançado pelo diretor Gabriel Mascaro em 2019, ano em que Jair Bolsonaro assume a presidência da república. O processo de oposição ao governo Rousseff até a eleição de Bolsonaro, é marcado pela presença religiosa, especialmente evangélica, no cerne do debate político. Esta homologação entre política e religião como resultante de políticas públicas e efeitos nos cotidianos do sujeito comum, alegórica e sintomaticamente, é experienciada (reiterada e criticada) no cinema brasileiro. Notemos, que essa experiência é transposta, em nosso recorte, por meio de um cinema distópico, em que as instituições religiosas aninham-se junto ao Estado como métodos de controle e, consequentemente, de poder. Assim, partindo dos sistemas simbólicos de Jean-Marie Floch (2001), analisando o plano da expressão em conformidade ao plano do conteúdo, consideramos que as estratégias fílmicas de Queiroz e Mascaro, envolvendo o contexto de produção e os efeitos de sentido, se conectam com as formas de vida (FONTANILLE; 2014), advindas de um estilo que é a representação semiótica das culturas por meio de um objeto, constituindo-se, portanto, as politicidades estéticas e estabelecendo-se uma comunicação em que a sociedade sente e se sente na tela.


Palavras-chave


Semiótica; Cinema brasileiro; Branco Sai, Preto Fica; Divino Amor; Política e Religião.

Referências


BRAGA, José Luiz. Constituição do campo da comunicação. Verso e Reverso (Unisinos), v. 25, jan./abr. 2011, p. 62-77.

FLOCH, Jean-Marie. Alguns conceitos fundamentais em Semiótica Geral. Documentos de Estudo do Centro de Pesquisas Sociossemióticas. São Paulo: Centro de Pesquisas Sociossemiótica, 2001. p. 9-29.

FONTANILLE, Jacques. Quando a vida ganha forma. In: NASCIMENTO, Edna Maria Fernandes dos Santos; ABRIATA, Vera Lúcia Rodella (Org.). Formas de vida: rotina e acontecimento. Ribeirão Preto: Editora Coruja, 2014. p. 55- 85.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GREIMAS, Algirdas Julien. Da imperfeição. São Paulo: Hacker editores, 2002.

IRIBARREN, María. La imagen argentino: episódios cinematográficos de la historia nacional. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Fundación CICCUS, 2017.

MARGULIS, Paola. “En transición: el documental argentine hacia el retorno democrático”. In: IRIBARREN, María. (Org.). La imagen argentina: episódios cinematográficos de la historia nacional. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Fundación CICCUS, 2017, p. 141-167.

QUÉRÉ, Louis. O caráter impessoal da experiência. In: LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA Carlos Camargo; GUIMARÃES, César (Org). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, p. 19-38.


Texto completo: PDF