Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
In-visíveis Canibais: fragmentação e poiesis da origem em Tangolomango de Raimundo Carrero
André Filipe Pessoa

Última alteração: 02-01-2021

Resumo


Fredric Jameson (1991) escreve que o sujeito pós-moderno não é mais capaz de criar a conexão necessária entre passado e presente em um todo coerente. Por isto, a produção cultural torna-se um “empilhado de fragmentos” aleatório e heterogêneo. Porém, a noção acerca da “pós-modernidade” do homem euro-americano de Jameson desconsidera o processo colonial no qual interrupção, fragmentação e derrota espiritual tomam início. Aníbal Quijano (2005) observa como a estrutura colonial de poder assegurou um sistema de re-identificação histórica com repercussões culturais, políticas e econômicas por séculos. A dessincronia, apontamos, que afeta o sujeito esquizo euro-americano não acontece por falta de material mnêmico coletivo. Ela é resultado das revoluções hermenêuticas nos arquivos de memória. Considerando o contexto colonial, não apenas a fragmentação e dessincronia são levadas em conta, mas também a ausência de dados sensíveis dos arquivos de memória. Silvia Rivera Cusicanqui (2010) argumenta que o presente traz a possibilidade de criação de um projeto de modernidade construída sobre um passado reminiscente dos povos nativos. Ao reconhecer as pulsações arcaicas e modernas na experiência contemporânea é possível ressignificar tempo e espaço: el pachakuti. A partir da leitura do romance Tangolomango: ritual das paixões deste mundo, do escritor brasileiro Raimundo Carrero (2013), observamos a matéria prima rarefeita com qual a produção literária contemporânea realiza a sutura do tempo.

Palavras-chave


Colonialidade de Poder; Literatura Contemporânea Brasileira; Literatura e Memória Sociocultural; poiesis da origem; Raimundo Carrero

Referências


CARRERO, Raimundo. Tangolomango: ritual das paixões deste mundo. Rio de Janeiro: Record, 2013.

CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch’ixinakax utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Ed. 1. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010.

DERRIRA, Jacques. “Force and Signification”. In: _____. Writing and Difference. London, New York: Routledge, 2005.

GLISSANT, Edouard. Caribbean Discourse: selected essays. Traduzido por J. Michael Dash. Charlottesville: University Press of Virginia, 1996.

JAMESON, Fredric.1991. Postmodernism, or, the cultural logic of late capitalism. Durham: Duke University Press, 1991.

ORTIZ, Fernando. Contrapunteo cubano del tabaco y el azúcar. Havana: Editorial de Ciencias Sociales, La Habana, 1983.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. In Lander, Edgardo, org. A colonialidade do saber: eurocentrismo y ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. sept. 107-130, 2005.

Texto completo: PDF