Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, II Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
“¡Es muy difícil! ¡Es muy difícil!” Quando as barreiras linguísticas conduzem à margem a necessidade de um acolhimento intercultural e de uma formação pedagógica em línguas
Simone Beatriz Cordeiro Ribeiro

Última alteração: 07-05-2019

Resumo


As fronteiras são comumente marcadas pelo ir e vir de sujeitos em busca de atrativos, atendimentos, oportunidades e até mesmo moradia. Assim, as pessoas movidas por diferentes motivos transpõem fronteiras frequentemente e de maneira corriqueira, e uma vez perpetrado como algo cotidiano as dificuldades de comunicação são ofuscadas quando está em jogo o emprego de línguas semelhantes, como é o caso da língua portuguesa e da língua espanhola que permeiam a Tríplice Fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Contudo, somente aqueles que precisam se comunicar através de outras línguas compreendem como a falta de conhecimento delas prejudica a interação, principalmente, quando se encontram fora do seu país de origem. Diante disso, objetiva-se refletir sobre a maneira como ocorre a recepção e alocação de estudantes estrangeiros nas instituições de ensino municipal de Foz do Iguaçu, no Ensino Fundamental I, cuja língua materna não é o português, e se há ou não a necessidade de uma educação em línguas com foco no ensino de segunda língua. Para tanto, estão sendo realizadas entrevistas com professores que já tiveram ou têm alunos estrangeiros e com a equipe pedagógica das escolas, procurando refletir sobre as práticas pedagógicas empregadas ou que contribuiriam de maneira mais adequada quando em contato com crianças estrangeiras falantes de outras línguas. Desse modo, empregam-se pressupostos teóricos concernentes às Políticas Linguísticas (OLIVEIRA, 2013; VON BORSTEL, 2013, OLIVEIRA e SILVA, 2-17), Acolhimento Intercultural e Ensino de Línguas (RIBEIRO, 2018), e Ensino de Línguas para crianças (FERREIRA, 2013; FERREIRA e SANTOS, 2010).

Palavras-chave


Acolhimento Intercultural, Barreiras Linguísticas, Políticas linguísticas, Segunda Língua, Tríplice Fronteira Brasil, Paraguai e Argentina.

Referências


CAMPIGOTO, José A. Hermenêutica da fronteira: a fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Florianópolis, 2000. Tese de Doutorado em História. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Florianópolis, 2000.

FERREIRA, Aparecida de J. Prefácio à 2ª edição: Ensino de Língua Estrangeira para crianças e a formação de professores. In TONELLI, Juliana R. A; CHAGURI, Jonathas de P. (Orgs.). O ensino de língua estrangeira para crianças: o ensino e a formação em foco. 2. ed. Curitiba: Appris, 2013, p. 11-14.

FERREIRA, Ivana K. de S; SANTOS, Liliana F. dos. A aprendizagem de língua estrangeira nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Revista Letrônica, v. 3, n. 1, jul. 2010, p. 128-141, 2010. Disponível em: revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/índex.php/letronica/article/view/6930/

5468. Acesso em janeiro de 2015.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: BOOKMAn, 2004.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MOITA LOPES, Luiz P. da. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como lingüista aplicado. In MOITA LOPES, Luiz P. da. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 13-42.

OLIVEIRA, Gilvan M. de. Políticas linguísticas como políticas públicas. 2013. Disponível em: http://e-ipol.org/wp-content/uploads/2013/06/Politicas_linguisticas_e_Politicas_publicas.

pdf. Acesso em setembro de 2013.

_____; SILVA, Julia I. da. Quando barreiras linguísticas geram violaçãode direitos humanos: que políticas linguísticas o Estado brasileiro tem adotado para garantir o acesso dos imigrantes a serviços públicos básicos? In Revista Gragoatá. v. 22; n. 42, jan.-abr. 2017, p. 131-153. Disponível em: http://www.gragoata.uff.br/index.php/gragoata/article/view/909 Acesso em março de 2018.

RIBEIRO, Simone B. C. Língua(s) de fronteira: o ensino da língua espanhola em Guaíra, Paraná. 2015. 259 f. Tese de Doutorado (Doutorado em Letras). Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Cascavel, 2015.

_____. Acolhimento Intercultural e Ensino de Português como Língua Adicional nas Escolas Municipais de Foz do Iguaçu. In Revista Domínios de Linguagem. v. 12; n. 1, março de 2018, p. xx-xx (no prelo), 2018.

SANDÍN ESTEBAN, Maria Paz. Pesquisa qualitativa: fundamentos e tradições. Trad. Miguel Cabrera. São Paulo: Artmed, 2010.

VON BORSTEL, Clarice N. Políticas linguísticas e educacionais em situações de línguas em/de contato. LLJournal, v. 8, n. 1, p.1-10. 2013. Disponível em http://ojs.gc.cuny.edu/index.php/lljournal/article/view/1365/1452. Acesso em junho de 2014.


Texto completo: PDF