Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, I Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura

Tamanho da fonte: 
Gestão de diversidade linguístico-cultural na educação formal no Brasil: desafios para uma política linguística
Isis Ribeiro Berger

Última alteração: 23-11-2017

Resumo


Este trabalho visa discutir a questão da gestão da diversidade linguística na educação formal no Brasil, sob a ótica da Política Linguística enquanto campo interdisciplinar. A partir da discussão em torno do quadro-político-linguístico brasileiro, construído em torno de uma perspectiva monolíngue em língua portuguesa, analisam-se as complexidades em torno da construção de saberes em torno da valorização e promoção da diversidade linguística. Volta-se o olhar para a questão da educação formal, refletindo sobre as políticas linguísticas implícitas e explícitas, bem como para o conjunto de mecanismos que consolidam a política linguístico-educacional de facto existente no Brasil. A partir das reflexões postas, sugerem-se propostas para a reflexão em torno das possibilidades de construção de novas políticas e práticas que atendam a variadas demandas linguísticas, culturais e educacionais.


Palavras-chave


gestão; diversidade linguístico-cultural; educação; Política Linguística.

Referências


BERGER, Isis Ribeiro. Gestão do multi/plurilinguismo em escolas brasileiras na fronteira Brasil-Paraguai: um olhar a partir do Observatório da Educação na Fronteira. (Tese de Doutorado). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

BROCH, Ingrid Kuchenbecker. Ações de promoção da pluralidade linguística em contextos escolares. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CAVALCANTI, Marilda C. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüísticas no Brasil. Delta (online). São Paulo, vol.15, n. spe, p. 385-417, 1999. ISSN 0102-4450.

DOYÉ, Peter. Intercomprehension: guide for the development of language education policies in Europe: from linguistic diversity to plurilingual education. Council of Europe, Language Policy division, 2005.

GARCÍA, Ofélia. Education, multilingualism and translanguaging in the 21st century. In: Mohanty, A. et.al (Ed.). Multilingual Education for Social Justice: globalising the local. New Delhi: Orient Blackswan (former Orient Longman), 2009.

GROSSO, Maria José dos Reis. Língua de acolhimento, língua de integração. In: Horizontes de Linguística Aplicada. Brasília, v.9, n.2, p. 61-77, 2010.

MORELLO, Rosângela. A Carta de Maputo e as Políticas Linguísticas no Brasil. (2013). Não paginado. Disponível em: <http://e-ipol.org/politicas-linguisticas-no-brasil-o-reconhecimento-das-linguas-brasileiras-e-as-demandas-por-acoes-articuladas-e-inovadoras/>. Acesso em: 10 nov. 2013.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de. Plurilinguismo no Brasil: repressão e resistência linguística. In: Synergies Brésil. [S.l.], v. 1, p. 19-26, 2009.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de; ALTENHOFEN, Cleo. O in vitro e o in vivo na política da diversidade linguística no Brasil: inserção e exclusão do plurilinguismo na educação e na sociedade. In: MELLO, Heliana; ALTENHOFEN, Cléo; RASO, Tommaso (Org.). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

PIRES-SANTOS, Maria Elena Pires. Fatores de risco para o sucesso escolar de crianças brasiguaias nas escolas de Foz do Iguaçu: uma abordagem sociolingüística. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, 1999.

SAGAZ, Márcia Regina Pereira. Projeto Escolas (Interculturais) Bilíngues de Fronteira: análise de uma ação político linguística. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

SHOHAMY, Elana. 2006. Language Policy: hidden agendas and new approaches. NY: Routledge, 2006.

SPOLSKY, Bernard. Language Management. NY: Cambridge University Press, 2009.

THOMAZ, Karina Mendes. A Língua Portuguesa no Brasil: uma política de homogeneização linguística. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), 2005.


Texto completo: PDF