Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
MOCINHA, UM ÍCONE DE RESISTÊNCIA NO CARNAVAL JAGUARENSE: UMA LEITURA DO CONTEXTO DA SOCIEDADE RECREATIVA BENEFICIENTE ESTRELA D’ALVA.
rodrigo lages lakman

Última alteração: 25-01-2018

Resumo


Este trabalho tem como tema a Mocinha e sua representação  como símbolo de significado da memória da festa popular o Carnaval de Jaguarão e apresenta como como objetivo registrar fragmentos da trajetória e história de María Cezarina Cardozo, a dona “Mocinha”, e sua ação junto da escola carnavalesca Estrela D’alva onde, depois de seu ingresso, foi a principal figura. Os dados aqui utilizados estão pautados, sobretudo, em informações orais como fonte de material. Capta, prioritariamente, a imaterialidade cultural dessa relação e como se desenvolveu junto à postura de resistência da Mocinha, influenciando, assim, a manter o carnaval de rua de Jaguarão e como se deu algumas dessas interações no cotidiano social, contribuindo para a transformação e manutenção do evento. A história de Maria Cezarina Cardozo, a Mocinha, e da Escola Estrela D’alva, que se fundem uma com a outra, e se mantém vivas, aborda a reflexão acerca da postura de resistência em manter uma manifestação cultural adaptando-se às mudanças no carnaval de rua, caracterizando, assim, a protagonização de um papel de ícone no cenário do carnaval de Jaguarão e suas manifestações culturais.


Palavras-chave


Carnaval, Estrela d’Alva, Jaguarão, Maria Cezarina Cardozo, resistência

Referências


ABREU, M. Cultura Popular: um conceito e várias histórias. In: ABREU, M; SOIHET, R. (org.). Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 83.-102.

 

ARANTES, Antônio A. O patrimônio imaterial e a sustentabilidade de sua salvaguarda. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, v. 12, n. 13, p. 11-18, 2004.

 

BONI, Valdete; QUARESMA, Jurema. Aprendendo a entrevistar: Como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese. Vol. 2 nº 1, janeiro-julho/2005, p. 68-80.

 

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Prefácio. In: SANTOS, Nilton Silva dos. A arte do efêmero: carnavalescos e mediação cultural na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009. p. 9-12.

 

________, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, Renata de Sá. Apresentação. In: CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, Renata de Sá (orgs.). Carnaval em Múltiplos Planos. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009. p. 9-14.

 

SILVA, Rafael rosa da. Nem confetes nem serpentinas: A resistencia do bloco Brasa Viva no carnaval de rua de Bagé/RS. Jaguarão: UNIPAMPA, 2015. (trabalho de conclusão de curso de bacharelado em produção e politica cultural).

 

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma Sociologia do dilema Brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

 

DIAS, Juliana Braz. O Carnaval do Mindelo, Cabo Verde: reflexões sobre a festa e a cidade. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 95-108, 2016.

 

ECKERT, Cornelia; DA ROCHA, Ana Luiza Carvalho. Etnografia: saberes e práticas. ILUMINURAS, v. 9, n. 21, 2008.

 

ELHAJI, Mohammed. Memória coletiva e espacial étnica. Galáxia, v. 2, n. 4, 2002.

 

FERREIRA,  Felipe. Um carnaval à francesa: a construção da folia na cidade de Nice. In: CAVALCANTI, Maria Laura; GONÇALVES, Renata (Org.). Carnaval em múltiplos planos. Rio de Janeiro: Aeroplano, FAPERJ, 2009.

 

MONTERO, Luis García. Luna en el sur. Sevilla: Editorial Renacimiento, 1972.

 

FERREIRA, Maria Nazareth. Comunicação, resistência e cidadania: as festas populares. In: ________. As Festas Populares na Expansão do Turismo: A Experiência Italiana. 2a Edição. São Paulo: Arte&Ciência, 2005.

 

NATAL, Vinícius Ferreira. Sambantropologia. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 150-166, 2016.

 

NÓBREGA, Zulmira. A festa do maior são João do mundo: dimensões culturais da festa junina na cidade de Campina Grande. Tese (doutorado). Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação. Salvador. Repositório institucional UFBA,2013.

 

PIRES, Ewerthon Veloso. Impactos Sócio-Culturais do Turismo sobre as Comunidades Receptoras: Uma Análise Conceitual. Caderno Virtual de Turismo  Vol. 4, N° 3, p. 17, 2004.

 

RODRIGUES, Juliana Hoffman. Carnasacra - Símbolo de resistência negra e objeto de manifestação popular. Revista Extraprensa, v. 1, n. 2, p. 1-13, 2010.

 

SAPIA, Jorge Edgardo. Carnaval de rua no Rio de Janeiro: afetos e participação política. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 79-94, 2016.

 

SILVA, Renan de Lima da. Em ondas com o turismo: o olhar na comunidade sobre o turismo do Farol de Santa Marta. 2016.


Texto completo: PDF