Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Riscos no trabalho em olarias e seu entendimento por parte dos trabalhadores
José Paulo Braccini Fagundes

Última alteração: 24-01-2018

Resumo


Por se tratar muitas vezes de um labor em condições precárias e com recursos humanos com níveis de escolaridade geralmente baixos, o trabalho desenvolvido em olarias merece atenção no que tange à adequada informação dos trabalhadores sobre os riscos existentes nos ambientes de trabalho. Em alguns casos, observam-se condições extremamente precárias com relação à segurança e saúde no trabalho, sem a devida proteção das máquinas e dos trabalhadores ou instalações elétricas inadequadas. O mapa de riscos, representação gráfica dos fatores capazes de acarretar prejuízos à saúde do trabalhador, foi instituído no Brasil no ano de 1992 pelo Ministério do Trabalho. Entretanto, o modelo convencional é fonte de polêmicas em relação à sua efetividade, sendo evidente a necessidade de alternativas que contribuam para mapas de qualidade, que auxiliem concretamente em matéria de prevenção, diminuindo acidentes e agravos à saúde do trabalhador. Neste sentido, o presente estudo aponta os riscos existentes em uma olaria no município de Caçapava do Sul/RS, apresentando uma metodologia alternativa visando propor a implementação de um mapa de riscos no empreendimento, em conjunto com os trabalhadores. Foram verificados riscos físicos como ruído, calor, vibrações e radiações não ionizantes, riscos químicos como a poeira no ambiente de trabalho ou resultantes de tarefas de manutenção, e, ainda, riscos ergonômicos e de acidentes, variando de acordo com o setor. Pôde-se identificar que o modelo de mapa em tela apresenta como vantagem facilitar o entendimento e a reflexão dos colaboradores sobre a existência dos diferentes riscos no exercício de suas atividades.


Palavras-chave


Mapa de riscos; olarias; riscos ocupacionais; segurança do trabalho; trabalhadores.

Referências


BENTES, F. M.; FERREIRA, S. S.; LAMERA, D. L.; MANTOVANI, O. C.; POSSEBON, J. Cerâmica vermelha: Processo produtivo e áreas de vivência requerem melhorias. Revista Proteção. Ed. 244. Abril. 2012. Disponível em: http://www.protecao.com.br/edicoes/4/2012/A5ja. Acesso em: 01 set. 2017.

BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria nº 05, de 17 de agosto de 1992 do Ministério do Trabalho. Altera a Norma Regulamentadora nº 9 estabelecendo a obrigatoriedade de elaboração do Mapa de Riscos Ambientais. Brasília, 20 ago. 1992.

FACCHINI, L. A.; DALL’AGNOL, M. M.; FASSA, A. G.; LIMA, R. C. Ícones para mapas de riscos: uma proposta construída com os trabalhadores. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 497-502, set. 1997. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1997000300025&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 set. 2017.

MATTOS, U. A. O.; FREITAS, N. B. B. Mapa de risco no Brasil: as limitações da aplicabilidade de um modelo operário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 251-258, junho 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1994000200012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 set. 2017.

MOTA, T. T.; FROTA, O. P. A implantação do mapa de riscos no ambiente de trabalho: revisão integrativa acerca de técnicas inovadoras. In: Revista Saúde e Pesquisa. v. 6, nº 2, p. 495-501, set./dez. 2013. Universidade Católica Dom Bosco. Centro Universitário de Maringá, Maringá. 2013.


Texto completo: PDF