Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
OS JOVENS E O CURRÍCULO: ENTRE VOZES, SENTIDOS E ECOS.
Leia Raquel Almeida

Última alteração: 15-01-2018

Resumo


O artigo se ancora na pesquisa realizada com jovens estudantes de uma escola confessional, da rede privada de ensino, na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, e seus professores. O objetivo foi investigar, através da escuta a esses sujeitos da EJA, suas percepções sobre o currículo por eles vivenciados. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória, realizada através da análise de documentos, observação do cotidiano escolar, grupo focal com os jovens estudantes e questionário aplicado aos professores. Discute-se o contexto da escola como esfera pública, reflete-se sobre um currículo que se desdobra na articulação de propostas interativas tendo presente as demandas trazidas pela realidade dos estudantes, sem perder a rigorosidade acadêmica. Os achados do estudo apontam para uma valorização das práticas docentes que colaboram para a emancipação dos estudantes. Já em relação aos professores, além de manifestarem comprometimento e gratidão pelo trabalho desenvolvido, apontam que, para além do espaço de socialização, a escola representa a oportunidade de um futuro melhor para os jovens. Com base nisso, o estudo ecoa sobre a potencialidade do currículo da EJA, na customização de propostas pedagógicas significativas a partir da matriz curricular da escola, que não é fechada. Espera-se com esta investigação contribuir para abertura de outros espaços de escuta dos jovens e no desenvolvimento de propostas escolares numa perspectiva curricularmente inteligente.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos, Currículo, Jovens

Referências


DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 24, set/dez, p. 40-52, 2003.

DAYRELL, Juarez; CARRANO, Paulo. Juventude e ensino médio: quem é este aluno que chega à escola. In: DAYRELL, Juarez; CARRANO, Paulo; MAIA, Carla Linhares (Orgs.). Juventude e Ensino Médio: diálogo, sujeitos, currículos. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

GIROUX, Henry. Escola crítica e política cultural. São Paulo: Correz, 1987.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 1995.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa.  Desafios aos professores na construção de mudanças educacionais e curriculares: que possibilidades e que constrangimentos? In: Rev. Educação, Porto Alegre, v.33, n.3, p.198-204, set./dez.2010

LEITE, Carlinda. Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: Edições. ASA, 2003.

 

PAIVA, J.; MACHADO, M.M.; IRELAND, T. (Org.). Educação de jovens e adultos: uma memória contemporânea (1996-2004). Brasília, DF: UNESCO/MEC, 2004.

YOUNG, Michael. Para que servem as escolas? Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n.101, p.1287-1302, set./dez.2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br

MINAYO, M.C. de S. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 12ªEdição. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

PAIS, José Machado. Sociologia da Vida Quotidiana: Teorias, métodos e estudos de caso. Lisboa : Instituto de Ciências Sociais na Universidade de Lisboa, 2002

SPOSITO, Marilia Pontes. Juventude e educação: interações entre a educação escolar e a educação não-formal. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 2, jul.-dez., p. 83-97, 2008.


Texto completo: PDF