Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Os desafios sociais das mulheres negras empreendedoras na cidade de Rio Grande.
Simone Silva Porto Machado, Ketlle Duarte Paes

Última alteração: 17-01-2018

Resumo


Os estudos sobre gênero/mulheres estão ganhando força nas áreas das ciências sociais e aplicadas nos últimos anos. Partindo de um contexto histórico, podemos observar que as mulheres lutaram ativamente por respeito e por seus direitos. (DAVIS, 2016). Entretanto, quando se trata de discutir especificamente sobre as mulheres negras vê-se, que ainda são poucos estudos na área de administração. Diante disso, há que se sublinhar que a luta das mulheres por igualdade de direitos com os homens ficou conhecido como feminismo. Esse movimento em seus primórdios não englobavam as mulheres negras que viram seus interesses serem levados em consideração somente quando o movimento negro ganhou proeminência em meados do século XX. (PINTO, 2010). Uma outra pauta de luta das mulheres diz respeito a maior participação e mais direitos no mercado de trabalho, onde as mulheres buscam, entre outras coisas, equiparar seus salários aos dos homens. Em sua luta pela sobrevivência e em tempos de crise financeira e política como o Brasil vive atualmente o empreenderismo pode ser uma saída para o sustento de muitas famílias. Nesse contexto, pretende-se com essa pesquisa analisar as dificuldades econômicas e sociais enfrentadas pela mulher negra empreendedora na cidade de Rio Grande, a partir da categoria da interseccionalidade. A pesquisa visa contribuir para a compreensão dos desafios enfrentados pela mulher negra na economia de Rio Grande, bem como busca dar visibilidade a essa parcela da população historicamente excluída das políticas públicas.


Palavras-chave


Empreendedorismo, Feminismo negro, Interseccionalidade, Mulheres negras

Referências


ARMAN, A. P. Empreendedorismo entre mulheres negras na cidade de São Paulo. Revista de Administração do Unisal, v. 5, n. 8, 2015.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

CARDOSO, C. P. Outras Falas: Feminismos na Perspectiva de Mulheres Negras Brasileiras. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2012.

COSTA, J. B. Life control, interseccionality and politics of empowerment: female domestic workers' political organizations in Brazil. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), v. 26, n. 52, p. 471-489, 2013.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista estudos feministas, v. 10, n. 1, 2002.

DAVIS, A. 1944. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.  246 p.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org) O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FERNANDES, D. A. O gênero negro: apontamentos sobre gênero, feminismo e, feminismo e negritude. Rev. Estud. Fem. [online]. 2016, vol.24, n.3, pp.691-713.

DOMINGUES, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, v. 12, n. 23, 2007.

DRUCK, G.; OLIVEIRA, L. P. A condição “provisória permanente” dos trabalhadores informais: o caso dos trabalhadores de rua da cidade de Salvador. Revista Vera Cidade. Salvador. Ano, 2008.

HIRISH, R. D.; PETERS, M. P. Empreendedorismo. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman.594 p.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de Pesquisa: Planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. 277 p.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós estruturalista. 1 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1997. 179 p.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Rev. Sociologia Política. Curitiba, v. 18, n. 36, p. 15-23, Junho, 2010.

RIBEIRO, M. Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização. Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p. 987, 2008.

SPINDOLA, T.; Santos, R.S. Trabalhando com história de vida: percalços de uma pesquisa (dora?). Revista de Enfermagem USP. v. 37, n. 2, p. 119-126, 2003.


Texto completo: PDF