Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Problematizando o discurso pedagógico inclusivo: estratégias do poder disciplinar em análise
Suzana Mattos Rosa, Bárbara Hees Garré

Última alteração: 21-01-2018

Resumo


O trabalho aqui apresentado é um recorte de uma pesquisa mais ampla que objetiva analisar alguns ditos sobre inclusão escolar, problematizando a máxima “todos na escola”.  Analisando a coletânea de livros infantis Ciranda das Diferenças, que aborda diferentes deficiências, se problematiza quais verdades o discurso pedagógico inclusivo vem materializando na contemporaneidade. A análise se situa em compreender as formas de normalização que reverberam num sujeito regulado, controlado e conduzido na sociedade do biopoder (Foucault, 2010). Entende-se que algumas práticas pedagógicas e certos procedimentos didáticos determinam os modos de agir dos sujeitos presentes na escola.   Através  do material empírico da pesquisa, problematiza-se o discurso pedagógico inclusivo apresentando algumas percepções em torno das enunciações da literatura infantil. O estudo trabalha com conceitos importantes do pensamento foucaultiano, tais como: norma, sociedade de normalização, poder disciplinar e biopoder. Compreende-se que o discurso inclusivo efetiva-se a partir de concepções e princípios que disciplinam, controlam, vigiam e regulam a vida dos sujeitos portadores de deficiência. Nessa correnteza vale ressaltar que a investigação aqui apresentada não tem como objetivo comunicar resultados e, muito menos, ser propositiva.  O foco se situa em provocar tensionamentos sobre alguns ditos que tratam da inclusão escolar e do olhar sobre a deficiência.


Palavras-chave


discurso pedagógico inclusivo- sociedade de normalização – poder disciplinar

Referências


 

BAUMAN, Z. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

EWALD, François. Foucault, A Norma e o Direito. Lisboa: VEJA, 1993.

__________. Em defesa da sociedade. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

________. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Ed. Vozes, 2014.

HONORA, Márcia. Ciranda das Diferenças. São Paulo: Ciranda Cultural, 2010.

SILVA, Gisele Ruiz; HENNING, Paula Corrêa. Entre leis, decretos e resoluções... A inclusão escolar no jogo neoliberal. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 843-864, set./dez. 2014. Disponível em: www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=14715 Acesso em 03 mar. 2017.

 

VEIGA NETO, Alfredo. . Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

________. Incluir para excluir. In: LARROSA, Jorge. SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: políticas e poética da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.p.105-118.


Texto completo: PDF