Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Sobre a Educação Ambiental e a "arte de viver": por uma refundação ética e epistêmica
FILIPI VIEIRA AMORIM, JÚLIA GUIMARÃES NEVES, ALANA DAS NEVES PEDRUZZI, TAMIRES LOPES PODEWILS, FELIPE DA SILVA JUSTO

Última alteração: 23-01-2018

Resumo


O artigo, que em termos metodológicos identifica-se por sua natureza teórica, apresenta uma proposição inicial sobre a necessidade de uma inversão axiológica no campo das pesquisas que versam sobre os Fundamentos da Educação Ambiental. Parte-se do princípio de que o cuidado de si precede o cuidado com o outro, seja este outro humano ou não humano. Assim, a prerrogativa que justifica a tendência ambientalista da preservação de uma natureza supostamente não humana passa a ser criticada, momento em que emerge o reconhecimento da arte de viver como possível fundamento para a Educação Ambiental. O texto apresentado não tem a pretensão de fixar-se como verdade última, mas intenta ensaiar uma reflexão sobre o problema contemporâneo que se convencionou chamar de crise ambiental e coloca à educação o desafio de responder às questões desta contemporaneidade, entre eles, as auguras da convivência humana no Planeta. Espera-se que este breve texto possa contribuir com outros desdobramentos investigativos no campo dos Fundamentos da Educação Ambiental.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Arte de viver; Fundamentos

Referências


AMORIM, F. V.; CALLONI, H. Incidências éticas e epistemológicas de Francis Bacon na concepção da Natureza: contribuições à Educação Ambiental. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 24, out. 2015, p. 85-101. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/resafe/article/view/17459/12506 Acesso em: 30 ago. 2017.

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo: Editora Cultrix, 1982.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 3. O cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

GARRÉ, B. H. O dispositivo da Educação Ambiental: modos de constituir-se sujeito na Revista Veja. 2015. 185 f. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande. 2015.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GRÜN, M. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. Campinas: Papirus, 1996.

GRÜN, M. Em busca da dimensão ética da educação ambiental. Campinas: Papirus, 2007a.

GRÜN, M. A pesquisa em ética na educação ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental (UFSCar), v. 2, p. 185-205, 2007b.

JONAS, H. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1996.

NIETZSCHE, F. Schopenhauer educador. Rio de Janeiro: Editora Escala, 2015.

PASCAL, B. O homem perante a natureza. São Paulo: W. M. Jackson INC., 1948.

RICOEUR, P. O si-mesmo como outro. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

SARTRE, J.-P. O existencialismo é um humanismo. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.


Texto completo: PDF