Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, II Encontro Humanístico Multidisciplinar e I Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Ensino de língua espanhola na fronteira: LE ou L2?
Santiago Bretanha Freitas, Nathalia Madeira Araujo

##manager.scheduler.building##: Campus Jaguarão
##manager.scheduler.room##: Sala 206
Data: 12-11-2016 08:30 AM – 11:30 AM
Última alteração: 20-10-2016

Resumo


O presente estudo tem por objetivo discutir, no que se refere ao ensino de língua espanhola na região fronteiriça de Jaguarão (RS/BR) e de Rio Branco (CL/UY), qual a concepção de língua os professores possuem e, consequentemente, qual concepção de ensino de língua espanhola é empregada em suas práticas docentes (Língua Estrangeira, LE, ou Segunda Língua); através desses dados, triangulados com nosso referencial teórico, refletimos acerca da pertinência destas concepções levando em consideração as suas epistemes e o contexto fronteiriço. Para a realização desta pesquisa, pautada em uma metodologia qualitativa, e nos pressupostos de Spinassé (2006), Baralo (1999) e Gargallo (1999), elaboramos um questionário estruturado que foi respondido por quatro professores da rede básica de ensino e por dois alunos do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol da UNIPAMPA, Câmpus Jaguarão, que atuam nas escolas jaguarenses por meio do PIBID Letras – Língua Espanhola. Levando em consideração as concepções de língua manejadas pelos sujeitos participantes da pesquisa, assim como a maneira que idealizam o ensino de espanhol na fronteira Jaguarão/Rio Branco, compreendemos o ensino de língua espanhola é, majoritariamente, relacionado à perspectiva de uma L2, já que as culturas dos dois países estão em estrito e constante contato.

 

Palavras-chave: Ensino de Espanhol; Fronteira; Língua Estrangeira; Segunda Língua; Língua Adicional.