Tupã - Sistema Online de Apoio a Eventos do CLAEC, II Encontro Humanístico Multidisciplinar e I Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares

Tamanho da fonte: 
Reflexões feministas e o Rap das lésbicas negras latino-americanas
Ariana Mara da Silva, Laila Cavalcante Rosa

##manager.scheduler.building##: Campus Jaguarão
##manager.scheduler.room##: Sala 303
Data: 11-11-2016 08:00 AM – 11:30 AM
Última alteração: 20-10-2016

Resumo


A partir da análise das músicas da Mc Luana Hansen do Brasil, Rebeca Lane da Guatemala, Miss Bolívia da Argentina, Krudas Cubensi de Cuba e Limblack da Venezuela, raperas lésbicas negras latino-americanas, a finalidade desse trabalho é debater questões acerca da decolonialidade. O aparato teórico utilizado aqui são os feminismos decolonial, negro e interseccional a fim de ponderar como a poética lésbica negra contribui para as discussões de gênero, raça e sexualidade em uma sociedade machista, racista, heteronormativa, eurocentrada e colonialista. Ademais, contém aqui alguns apontamentos sobre a etnomusicologia com o objetivo de pensar o Rap dentro do âmbito da música popular enquanto texto social, onde música não se dissocia do comportamento humano, com amplo poder comunicador e marcado pela forte interação entre musica, letra e condição sócio-emocional. Esse trabalho também conta com uma discussão sobre a América Latina enquanto região marcada por um passado colonialista e um presente de explicita colonialidade onde as opressões de gênero, raça e sexualidade foram atualizadas para o contexto do século XXI a fim de que se mantivessem as diversas opressões decorrentes dos processos passados, ainda que as expressões de resistência sejam diversas. Pensar essas raperas enquanto identidades marcadas pelos estereótipos de gênero, raça e orientação sexual possibilita a reflexão acerca de como as intersecções podem produzir resistência, conhecimento, arte e promover a difusão de questões feministas dentro e fora do Movimento Hip Hop.